Um quarto dos adolescentes dorme menos de sete horas por noite

Want create site? With Free visual composer you can do it easy.
Um quarto dos adolescentes dorme menos de sete horas por noite e apenas 20% dormem mais de nove horas, revela um estudo realizado pela Associação Portuguesa de Cronobiologia e Medicina do Sono (APCMS).
Neste estudo, os investigadores tentaram identificar as características do sono nos adolescentes, tendo para tal contado com a participação de 354 jovens de várias escolas do país.
Segundo o estudo, ao qual a agência Lusa teve acesso, a maioria dos adolescentes (cerca de 67%) dorme entre sete e nove horas. De acordo com os especialistas, este número de horas “é insuficiente”, uma vez que o ideal seria dez horas, e comporta “riscos reais” para os jovens, como mau desempenho escolar e adoção de comportamentos desviantes.
Em declarações à agência Lusa, o presidente da associação e coordenador do estudo, Miguel Meira e Cruz, referiu que estes dados “não são surpresa”, mas “vêm cimentar a preocupação que existe sobre a restrição e privação do sono” nos adolescentes.
Miguel Meira e Cruz referiu que “os adolescentes não têm grandes regras para ir para a cama, fisiologicamente também estão mais propensos para se deitarem mais tarde”.
Por outro lado, têm muito mais focos de atenção, como as saídas à noite, estudar durante a noite, as discotecas, os telemóveis, as redes sociais.
De acordo com o especialista, os adolescentes com privação de sono têm um maior risco de terem acidentes, um pior rendimento e comportamento escolar e problemas de saúde, porque o sistema imunitário fica mais débil.
Também “têm mais comportamentos de risco, consomem mais substâncias nocivas, bebem mais álcool e têm comportamentos desviantes”, sublinhou.
De acordo com estes resultados, Miguel Meira e Cruz defendeu que têm de ser mantidos esforços para mudar comportamentos e educar a população jovem e, sobretudo, as famílias para que “o sono, algo fundamental à vida, essencial para o desenvolvimento, saúde e bem-estar, tenha um papel central na vida dos jovens”.
O estudo também analisou o cronotipo destes adolescentes (vespertinos, intermediários ou matutinos) e a sua interação com a duração do sono e sonolência.
“Constatámos que existia uma correlação inversa entre sonolência e cronotipo, ou seja, parece que os vespertinos são mais afetados pela sonolência e suas potenciais consequências”, explicou Miguel Meira Cruz.
Por outro lado, a relação linear direta entre o cronotipo e a duração de sono permite concluir que os matutinos têm maior tempo de sono, provavelmente porque se deitam mais cedo e são mais regrados.
De acordo com o coordenador do estudo, seria vantajoso “definir e adequar horários em função do relógio biológico dos estudantes, o que não é feito”.
Referencia: Alert

Saiba também como pode emagrecer ou eliminar a gordura localizada de uma forma rápida, saudável e sem esforço, clique aqui.

 

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.